Outras Escalas Musicais

Outras escalas musicais artificiais como “Enigmática, Napolitana, Cigana, Dominante Diminuta e Alterada”.

Todas possuem um único centro tonal, assim, apesar de estarem escritas em C (dó), podem ser transportadas para qualquer outro Tom, desde que sua sequência de intervalos seja mantida.

Você achará difícil empregá-las com a convencional Harmonia diatônica ocidental, pois são consideradas, sob alguns aspectos, “dissonantes”.

No entanto, representam alternativas melódicas, de modo que a melhor política é experimentá-las, familiarizar-se com seu som e, caso uma delas estimule sua imaginação, utilizá-la para criar seus próprios acordes e melodias.

Escala Enigmática em C (dó)

Em relação à escala maior diatônica, tem a 2ª nota bemolizada, e sustenidos na 4ª, 5ª e 6ª notas.
Escalas-Enigmatica

Escala Napolitana em C (dó)

Em relação à escala maior diatônica, tem a 2ª e a 3ª notas bemolizadas.
Escalas-Napolitana

Escala Napolitana menor em C (dó)

Em relação a escala maior diatônica, tem a 2ª a 3ª e a 6ª notas bemolizadas.
Escalas-Napolitana-menor

Escala menor Cigana em C (do)

Em relação à escala maior diatônica, tem a 3ª e a 6ª notas bemolizadas, e um sustenido na 4ª nota.
Escalas-Cigana

Escala Dominante Diminuta

Essa escala é formada basicamente da mesma maneira que a escala diminuta normal, ou seja, seu patrão se baseia também na alternância entre tons e semitons.

Da mesma forma, ela possui quatro centros tonais potenciais a 1ª, 3ª, 5ª e 7ª notas.

A diferença em relação à escala diminuta é o ponto de partida.

Ao invés de começar com um intervalo de tom inteiro, começa com um intervalo de semitom.

Pode parecer uma diferença sutil, mas, na verdade, ela desloca todo o sentido da escala e cria uma sonoridade radicalmente diferente.

A denominação dessa escala vem do fato de ela ser empregada junto com acordes de sétima de dominante.

Mas ela é também muito usada junto com acordes de nona menor, nona aumentada, e décima primeira aumentada, que você vai estudar mais adiante.
Uma das principais características dessa escala é sua maleabilidade.

Tomando como exemplo uma escala de dominante diminuta a partir da nota C (dó), obtém-se: C (dó), Db (ré bemol), Eb (mi bemol), E (mi), F# (fá sustenido), G (sol), A (lá), Bb (si bemol) e novamente C (dó).

Observe, portanto, que ela contém tanto as notas do acorde de sétima de dominante C (dó), E (mi), G (Sol), Bb (sí bemol) com a nona menor Db (ré bemol), a nona aumentada Eb (mi bemol) ou D# (ré sustenido), a décima primeira ou quarta aumentada, F# (fá sustenido) e a décima terceira A (lá).

Assim, pode ser harmonizada com uma grande diversidade de acordes alterados.

Foi isso que abriu campo para sua larga utilização no vocabulário harmônico do jazz.

As três Escalas Dominantes Diminutas

Existem basicamente três escalas de Dominante Diminuta.
Aqui, temos as de C (Dó), Db (Ré Bemol) e D (Ré).
A de Eb (mi Bemol) tem sua tônica nessa nota e repete a partir dela o mesmo padrão da Dominante Diminuta de C (dó).

Escalas-dominante-diminutas

Modelo de digitação

A tônica está na 6ª corda.
Mas, como padrão se repete, obtém-se uma nova tônica de Escala Dominante Diminuta toda vez que a nota for seguida de outra situada um semitom acima (na escala de C (dó), por exemplo, as outras tônicas são Eb (mi bemol), F# (fá sustenido) e A (lá).
Digitacao-dominante-diminuta

A escala alterada

Esta escala apresenta uma divisão da oitava que não corresponde exatamente a nenhum dos modos e escalas tradicionalmente empregados.

Na verdade, trata-se do resultado da fusão de dois modos, o lídio (que possui o quarto grau aumentado) e o mixolídio (que tem o sétimo grau bemolizado).

Pode ser empregada com harmonias de dominante, e também como harmonias de tônica.

Neste último caso, ela produz a sonoridade característica da música folclórica do Nordeste brasileiro.

Observando a escala, podemos notar que as cinco primeiras notas repetem o padrão do modo Lídio, e as quatro últimas, do quinto grau até a repetição da tônica, repetem a organização desse mesmo trecho da escala do modo mixolidio.

Podemos construir escalas alteradas sobre os doze graus da escala cromática.

E seu emprego pode ocorrer tanto em músicas de estilo jazzístico como em músicas populares brasileiras com origem do folclore nordestino.

Escala e Modelo de digitação

Escalas-Alterada

Digitacao-escala-alterada

Exemplo de melodia em Escala Alterada

exemplo-de-melodia-em-escala-alterada

fonte: Toque – Ralph Denyer

🙂 😳 😆

RSS
FACEBOOK
GOOGLE
https://mdplus.com.br/guitarra/outras-escalas-musicais-artificiais/
TWITTER
YouTube

Autor: Airton

Profissional freelancer atuando nas áreas de Design Gráfico, Produção Gráfica e Web Design. Desenvolvo projetos para mídias impressas e digitais. Sempre interessado nos avanços das tecnologias, métodos e processos, venho me dedicando ao estudo do Marketing Digital. "Músico por paixão" :-)

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.