Tipos de Tríades, inversões e sequências

Todos os tipos de Tríades, inversões e sequências são formadas por uma combinação simultânea de três notas. Ela pode constituir-se de qualquer nota mais duas outras, uma terça e uma quinta acima dela.

Isso significa que a Tríade possui dois intervalos de terça sobrepostos.
Todas as Tríades são acordes de três notas, mas nem todos os acordes de três notas são tríades.

A teoria das Tríades remonta a meados do século XV, durante a evolução do sistema tonal maior/menor diatônico.

Antes disso, o efeito horizontal dos intervalos em vários “modos” tinha estabelecido a tônica (I) e a quinta (V) nota da escala com as mais importantes.

A Tríade foi criada quando se combinou a terceira nota (III) com a primeira e a quinta, para produzir acordes.

Na série harmônica de qualquer nota, a tônica é a fundamental; a oitava, a quinta e a terça são os harmônicos mais proeminentes.

As quatro diferentes tríades

Existem quatro tipos de Tríade: maior, menor, aumentada e diminuta.
Os intervalos que constituem a Tríade são sempre terças; mas há diferenças, pois podem ser terças maiores ou menores.

Além disso, podem, também, aparecer em uma ordem vertical diferente. No contexto das Tríades (ou mesmo de qualquer acorde), nos referimos a tônica como fundamental do acorde.

As Tríades maior e menor compreendem, ambas, um intervalo de quinta justa a partir da fundamental. É o intervalo entre a fundamental e a nota intermediária (a terça do acorde) que determina se a Tríade é maior ou menor.

Uma Tríade maior com a quinta sustenizada é chamada de aumentada, e uma Tríade menor com a quinta bemolizada é chamada de diminuta.

A Tríade maior de C

triade maior de C
Derivada da primeira, da terceira e da quinta notas da Escala maior diatônica. Consiste em uma terça menor disposta sobre uma terça maior. No conjunto, o resultado é a formação de uma quinta justa.

A Tríade menor de C

triade menor de C
Derivada da primeira, da terceira e da quinta notas da escala menor natural diatônica. Formada por uma terça menor embaixo e uma terça maior em cima. A sobreposição forma uma quinta justa.

A Tríade aumentada de C

triade aumentada de C
Derivada da primeira, da terceira e da quinta notas da escala aumentada. Consiste em duas terças maiores, dispostas uma sobre a outra. As notas extremas formam um intervalo de quinta aumentada.

A Tríade diminuta de C

triade diminuta de C
Derivada da primeira, da terceira e da quinta notas na escala diminuta. Consiste em duas terças menores sobrepostas que formam, juntas, um intervalo de quinta diminuta.

Inversões das Tríades

As quatro tríades apresentadas abaixo estão todas na posição fundamental (ou estado fundamental). Isso significa que a fundamental, ou tônica, é a nota mais grave do acorde.

Quando a nota mais grave não é a fundamental, dizemos que o acorde está invertido.

Se tomarmos uma Tríade de C (dó maior) na “posição fundamental” e elevarmos a tônica em uma oitava, a 3ª (terça) torna-se a nota mais grave. Essa forma de Tríade é chamada de “primeira inversão”.

Se elevarmos, agora, a 3ª (terça) em uma oitava, a 5ª (quinta) ficará como nota mais grave. Essa forma é chamada de “segunda inversão”.

Repetindo o processo em sequência, retornamos à Tríade na “posição fundamental”, uma oitava acima.

Dessa maneira, é possível obter três resultados sonoros “diferentes” a partir de uma só Tríade: a “posição fundamental”, a “primeira inversão” e a “segunda inversão”.

Como as três notas possuem o mesmo centro tonal e a mesma tonalidade, independentemente de sua disposição, todas possuem o mesmo nome: no exemplo abaixo, C (Dó maior).

Mas, devido à influência da nota mais grave, cada inversão sugere um “movimento” diferente e pode servir aplicações distintas.

Inversões da Tríade maior

inversoes das triades C maior

Na “posição fundamental”, a tônica C (dó) é a nota mais grave. Na “primeira inversão”, a 3ª (terça) E (mi) é a nota mais grave. E na “segunda inversão” a 5ª (quinta) G (sol) é a nota mais grave.

As três formas constituem tríades de C (dó maior), mas cada uma possui uma sonoridade diferente.
inversoes triade maior

Mais Inversões de Tríades

Os princípios para inversão de Tríades maiores abordados anteriormente aplicam-se exatamente da mesma maneira aos outros três tipos de Tríade: menor, aumentada e diminuta.

Cada uma delas também possui uma “posição fundamental”, uma “primeira” e uma “segunda” inversões.

O profundo conhecimento das Tríades em qualquer ponto da escala do instrumento é, talvez, um dos maiores trunfos para qualquer guitarrista que deseja compreender os acordes e harmonia.

Nos diagramas ilustrativos da escala, apresentados abaixo e acima anteriormente, as tríades são: C (Dó maior), Am (Lá menor), C (dó aumentado) e B (Si diminuto), mas os padrões podem ser deslocados para qualquer ponto da escala do instrumento, para a obtenção de Tríades de diferentes nomes ou alturas.

É importante não só aprender esses padrões e entender como funcionam, mas também encontrar as tríades e suas inversões em qualquer conjunto de cordas adjacentes: na segunda, terceira e quarta ou, por exemplo, na terceira, quarta e quinta.

Isso lhe dará uma ótima base para a teoria e a prática de todo o trabalho com acordes.

Inversões da Tríade menor

inversoes das triades A menor

Na “posição fundamental”, a tônica A (Lá) é a nota mais grave. Na “primeira inversão” a terça C (Dó) é a nota mais grave. E na “segunda inversão” a quinta E (Mi), é a nota mais baixa.
As três formas são todas tríades de A (Lá menor).
inversoes triade menor

Inversões da Tríade aumentada

inversoes das triades C aum

Na “posição fundamental”, a tônica C (Dó) é a nota mais grave. Na “primeira inversão”, a terça E (Mi) é a nota mais grave. E, na “segunda inversão”, a quinta G# (Sol sustenido) é a nota mais grave.
As três formas são todas tríades aumentadas de C (Dó).
inversoes-triade-aumentada

Inversões da Tríade diminuta

inversoes das triades B dim

Na “posição fundamental”, a tônica B (Si) é a nota mais grave, na “primeira inversão”, a terça D (Ré) é a nota mais grave. E, na “segunda inversão”, a quinta F (Fá) é a nota mais grave.
As três formas são todas tríades diminutas de B (Si).
inversoes triade diminuta

Construção de tríades sobre as notas da escala

Em qualquer tonalidade, existem sete tipos de Tríades diatônicas.

Elas são formadas pela sobreposição de dois intervalos de terça em cada nota da escala diatônica.

Apenas as notas que fazem parte da escala diatônica são utilizadas para montar as terças.

A distribuição de tons e semitons da escala diatônica determina se os intervalos são de terça maior ou menor, ditando, assim, o tipo de Tríade.

Como cada nota da escala representa o intervalo com sua própria sonoridade em relação à tônica, as tríades construídas sobre essas notas também possuem uma sonoridade própria em relação a Tríade da tônica.

Passar de um acorde para outro dentro da escala cria um efeito de movimento que é considerado em termos de “tensão” e “resolução” dentro da tonalidade.

Essa relação entre as sete diferentes tríades diatônicas cria um sentido harmônico que tem sido um dos primeiros traços característicos de quase toda a música ocidental.

A escala de C (dó maior) harmonizada numa sequência de Tríades.

A construção de tríades diatônicas sobre cada nota da escala maior diatônica produz a seguinte série: I maior, II menor, III menor, IV maior, V maior, VI menor, VII diminuta. Os acordes primários são o primeiro, quarto e o quinto, os outros são secundários.

triades harmonizadas C maior

A escala de Am (Lá menor) natural harmonizada numa sequência de Tríades.

A construção de tríades sobre cada nota da escala menor natural diatônica produz a seguinte série: I menor, II diminuta, III maior, IV menor, V menor, VI maior, VII maior. Os acordes primários são o primeiro o quarto e o quinto grau.

triades harmonizadas A menor

fonte: Toque – Ralph Denyer

🙂 😳 😆

RSS
FACEBOOK
GOOGLE
https://mdplus.com.br/guitarra/triades/
TWITTER
YouTube

Autor: Airton

Profissional freelancer atuando nas áreas de Design Gráfico, Produção Gráfica e Web Design. Desenvolvo projetos para mídias impressas e digitais. Sempre interessado nos avanços das tecnologias, métodos e processos, venho me dedicando ao estudo do Marketing Digital. "Músico por paixão" :-)

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.